Não preciso de grandes revelações pentecostais

Ontem, no ensaio do teatro, tive que liderar toda galera e ainda prepara-los para uma apresentação no próximo sábado em nossa cidade. Eu comecei a ver quem deveria apresentar, quem ainda precisa ensaiar mais e notei que havia um pré-adolescente no meio deles, que há um mês freqüenta os ensaios.

Ele sempre estava correndo pra lá e pra cá e o máximo que consegui falar com ele nesse tempo todo foi: Fique quieto! Para de correr!

Foi então que percebi que nunca falei com ele de verdade e muito menos procurei saber quem ele era. Aí, fui procurar a responsável por ele e me surpreendi quando ela me disse que ele era o único cristão da sua família e que desde que ele começou a freqüentar os ensaios a sua vida tem mudado. Suas notas que sempre eram vermelhas começaram a aumentar e seu comportamento também já não era o mesmo.

É incrível como algo que se tornou tão normal para mim esteja sendo tão transformador para alguém. Como eu às vezes tento liderar pessoas e não tento me relacionar com elas e isso fez toda diferença ontem.

No final do ensaio, ele estava chorando num canto e não queria conversar com ninguém, então o abracei, conversei com ele e entendi que o seu comportamento era tão agitado porque ele queria chamar a atenção, ele se sentia excluído.

Eu saí deste ensaio pensativo e ao mesmo tempo grato por ter aprendido algo novo. Pastorear vidas é algo maravilhoso e para saber nosso chamado não precisamos de grandes revelações ao melhor estilo pentecostal, basta estar pronto para ouvir Deus nos momentos mais simples e aparentemente insignificantes para nós.

2 comentarios:

Niltinho disse...

É importante sabermos que Deus não rasgará os céus e descerá cvalgando um querubim para se mostrar diante de nós e falar conosco. Ele o fará nas pequenas coisas.
Que possamos zelar por isso e estarmos atentos ao Espírito.

elianderson disse...

como diria um amigo meu:
Deus nunca perde a chance
de falar com a gente, mesmo
nas pequenas coisas.